Efeito Joule

Uma agonia me sufoca. Ouvidos de isopor rasgam o asfalto, meu pulso acelera. Pupilas no ar, discos pretos com microscópicos pixels em azul spyboot. Estou alterada, e respiro minha suposta invisibilidade. Paganini assalta meus sentidos, vindo de algum lugar além da explosão cósmica. Vozes fritam meus calcanhares: estou…fui. Talvez.  Corro com os indicadores, caio de gengivas entre as ogivas. Corega escorrega. Meus flancos choram tripas de vídeo cassete, e vejo você, apagando-se em verde e preto.

Seus olhos de Frankenstein eletrocutam minha coluna corolítica, lombada esclerótica, fribrocartilagem caótica. Um curandeiro, chame depressa. Sinto a convulsão torcer meus dentritos; morder meus fundilhos. Chame um parteiro, pois nasce hoje, oficialmente:

Alucigata. Acinufada. Alucinata. Alucinada. A luz? Se nada…

Anúncios